TIM: Fazer Diferente não é, e não pode ser só uma assinatura

O setor de telecomunicações do Brasil continua a mostrar o seu dinamismo, apesar da crise econômica por que passa o país. Os usuários estão migrando para serviços de dados e exigindo banda larga de alta velocidade e serviços avançados. A competição deixa de estar restrita as demais operadoras e passa a envolver também as OTTs.

Neste cenário, as operadoras têm que realizar um verdadeiro processo de transformação de seus ativos de rede e processos internos para serem mais eficientes, terem custos operacionais mais baixos e serem capazes de identificar e executar oportunidades de negócios. A mudança não é mais um diferencial, mas uma norma.

Nesse webinar, o Chief Strategy Officer da TIM, Luis Minoru Shibata, compartilha sua visão desse cenário e o que está sendo feito para que a TIM supere o desafio ao longo dos próximos anos.

Rafael A. Junquera
Apresentado por
Conta com mais de 11 anos de experiência no setor de telecomunicações para a América Latina. Rafael Junquera tem viajado constantemente por todo o mundo, cobrindo os eventos mais importantes para a Indústria na América, Europa e Ásia. Sua experiência acadêmica inclui um BA em Jornalismo e um Mestrado em Economia Internacional ambos pela Universidade de Suffolk em Boston, MA.

9 Comentários

  1. Saudações! Desde talvez, o primeiro momento em que identifiquei uma certa insatisfação por parte das operadoras de telefonia móvel em relação ao avanço das OTTs, especialmente o Whats App devido ser possível realizar ligações para outros celulares de qualquer operadora, tão sómente com a utilização da internet que deverá estar ativa mediante a contratação de um pacote de dados. Adaptaram-se prontamente, lançando promoções práticamente permanentes, com ênfase na utilização de Whats App e Facebook GRÁTIS; sem descontar do pacote de dados. Adaptaram-se tão somente, esquecendo-se de contra atacar, desenvolvendo cada uma delas, operadoras, um APP próprio que faria a mesma coisa que o Whats App realiza hoje, além de acrescentar novidades e lançando mão de desenvolvedores mui bem pagos(acredito que pagam bem seus colaboradores… PLR, etc) para lançarem no mercado seu mais novo serviço com vantagens tais como, gratuidade na utilização assim como o APP concorrente. Com um APP assim, as operadoras poderiam até mesmo evitar o cancelamento de suporte a usuários de versões antigas do Android, sistemas operacionais Symbian e do Blackberry, assim como os do Windows Phone. Ainda dá tempo de reagir, inclusive por conta dessa novidade, pois o APP em questão está ficando mais “parrudo” e nem todos os dispositivos como também alguns sistemas operacionais, conseguirão assimilar as futuras atualizações que surgirem. Não se trata de saber quando e qual o gato que vai pular do telhado, mas sim: Quem vai colocar o guizo no pescoço do gato?

    • Luis Minoru

      Aurelino, muito obrigado pelo seu comentário. Não sei se entendi bem a pergunta sobre o guizo e o gato, ou até mesmo o pescoço. A visão da TIM se baseia no conceito de OTN, ou seja, Over-the-network e atuação em conjunto com as OTTs. Não somos e não seremos uma OTT. Além disso, nossos novos planos visam uma quantidade de dados que entendemos ser mais que suficiente para nossos clientes usarem da forma que preferirem, sem privilegiar uma aplicação específica ou um fornecedor de aplicações específico, pois como você bem mencionou existem diversos no mercado.

  2. Favor comentar como a TIM está endereçando os desafios de implementação de NFV/SDN e Cloud.

  3. Minoru, vocês comentaram na última divulgação de resultados que o atual plano trianual de investimentos seria revisado. Vocês já têm uma previsão de quando ele será divulgado?
    Obrigado.
    Abs,
    Bruno Esteves.

  4. Luis Minoru

    Bruno, nossa próxima divulgação de resultados deverá ocorrer no final de Julho, A data exata é divulgada com antecedência no nosso site de RI. Abraço. Minoru

  5. Pois bem, Sr. Minoru! Vou esclarecer acerca das metaforas. Qual o gato que vai pular do telhado, eh uma referencia ao estado de letargia das operadoras quanto ao desnivelamento
    tributario entre elas e as OTTs, permitindo que evoluam sem tomarem nenhuma iniciativa realmente eficaz, capaz de gerar um equilibrio justo dentro do mercado de telecom. Pular do telhado seria em tese, sair do estado de simples observador para uma novo status de agregador de resultados atraves de insights constantes, visando a base de clientes atual. Satisfazer o cliente!

    • (Complemento da resposta anterior)

      Para isso, seria necessario saber primeiro o que o cliente quer, antes de impor determinados produtos oriundos da analise de graficos que supostamente retratam a realidade dos fatos. Recentemente, apos o frisson causado por um certo fabricante de celulares que vendia seus dispositivos somente atraves do proprio site, noticiaram eles que se desencantaram com o mercado brasileiro, deixando de apresentar novos modelos a curto prazo. As vendas nos lojas fisicas ja forum confirmadas. Decerto, confiaram demasiadamente nas leituras que os especialistas apresentaram. Aconteceu, uma reviravolta na economia brasileira com a qual eles nao contavam! Quanto ao guizo no pescoco do gato, eh uma referencia a uma famosa fabula: “A assembleia dos ratos.” Necessario saber quem vai dar o primeiro passo e desenvolver um novo produto que mantenha sua propria base de clientes coesa, impedindo assim que em algum momento futuro, uma MVNO possa surgir com permissão do governo e tendo como solicitante uma OTT. Não sei se isso seria possível, mas telecom no Brasil eh um verdadeiro caleidoscópio. Ora, se for possível apresentar uma alternativa ao cliente de sua própria base, tendo como apoio os serviços existentes e já consolidados, qualquer variação que esse formato de comunicação, a saber OTTs viesse a fazer, seria com enfase no status do serviço concorrente, permitindo assim, que haja algum “ruido” tal como uma apresentação perante a mídia e, consequentemente, possibilidade de reação. Não sou um especialista, tampouco estrategista, mas apenas um visionário!

  6. Saudações! Aproveitando a permanência on-demand dessa conferência, retorno após 1 ano e 5 meses para fazer um novo comentário, informando que a Netflix está enviando aos e-mails de ex assinantes que desfrutaram de um mês de gratuidade da assinatura, um convite para degustarem o segundo mês grátis sem obrigatoriedade de permanência após término dessa oferta; podendo cancelar antes da data limite. Recebi o e-mail em 09/11/2017 e já tomei posse desse segundo mês grátis. Eu consigo vislumbrar uma campanha para conquistar clientes pós-pagos nesse momento único! A TIM já se movimentou nesse sentido, quanto à prospecção desses clientes potenciais? Nem todos estão cientes do pacote adicional de internet(7GB) para Netflix e vídeos que há em todos os planos pós-pagos desde o pós B ao E Plus.

Faça uma pergunta

Senha perdida

Por favor, digite seu nome de usuário ou endereço de e-mail. Você receberá um link para criar uma nova senha por email.